Viagem para Escócia

Esses tempos me perguntaram qual a melhor maneira de aprender sobre whisky. A resposta foi fácil: viagem para Escócia. Sim, este é um artigo tendencioso, mas com um grande fundo de verdade (fundo, frente, laterais, tudo).

Pode-se aprender bastante a partir de livros, em eventos de whisky, com vídeos do YouTube, grupos de Facebook, artigos variados, blogs, amigos e até alguns bons (raros) vendedores de bebida. Cada qual com seus custos (financeiro ou simplesmente tempo), bem como um nível de aprendizagem variado. Tudo é interessante, mas com suas limitações.

Que me desculpem os escritores, organizadores de eventos, redes sociais, amigos e vendedores, mas nada substitui o aprendizado que se obtém dentro da destilaria. Absolutamente nenhum evento lhe proporcionadá o aroma de milhares de barris maturando em depósitos mofados, nem o aroma de toneladas de cevada secando no forno com turfa. Nenhum livro lhe ensinará o gosto do “wort” antes de receber o fermento ou do “wash” antes de ser destilado. Nenhum vídeo lhe ensinará a força que deve ser aplicada para rolar um barril ou o cuidado necessário para coletar uma amostra sem deixar escorrer whisky pelo chão. Nenhum vendedor poderá lhe dar acesso a barris experimentais, de madeiras diferenciadas e origens exclusivas, em teste apenas nas destilarias. E veja bem: ainda nem falei de “aprendizado”.

Alguns livros oferecem uma noção muito interessante de como é o processo produtivo do whisky. Uma “noção”, um embasamento. Absorvemos essa noção na segurança e conforto da nossa leitura. Já a destilaria oferece uma experiência prática, funcional, com as mais variadas sensações. Sensações óbvias como aroma, paladar, tato, visão. Sensações psicológicas como insegurança, esforço, repetição, zelo, expectativa. Sensações estruturais como maquinário em funcionamento, temperaturas, pressurizações, equipamentos auxiliares. Sensações interpessoais como trabalho em equipe, senso de responsabilidade, integração com os moradores locais. E isso, acredite, é apenas o começo. É necessário sair da “noção”. Misture e multiplique tudo isso ao verdadeiro processo produtivo usado em cada destilaria e temos finalmente um ponto de partida. Um pequeno ponto de partida que nehum livro sequer chega perto de lhe ensinar.

Mas como eu disse no início, este é um artigo tendencioso. Quer aprender sobre whisky? Viagem para Escócia. Leia livros, mas aproveite uma viagem para Escócia. Participe de eventos, degustações, grupos de redes sociais, mas participe de uma viagem para Escócia.

Qual viagem para Escócia?

De fato, existem opções. Vou explicar algumas delas abaixo.

Pacotes para o Reino Unido

A maioria das opções de viagem são de pacotes para o Reino Unido com alguns dias de Escócia. Talvez você até visite alguma destilaria (e de forma superficial). Não se iluda, o foco desses pacotes não é Escócia, muito menos whisky. É uma viagem de custo baixo para quem vende o pacote, e não tem coisas muito interessantes a oferecer.

Pacotes para a Escócia

São opções com destino específico na Escócia. São pacotes interessantes para se conhecer a Escócia, mas com foco ainda meramente turístico. Castelos, museus, paisagens, talvez uma visita básica em alguma destilaria. São bons pacotes para se tirar fotos da Escócia, para passear pela Escócia, mas ainda assim, sem um diferencial. Normalmente são muitas horas de estrada, visitando os clássicos e básicos pontos turísticos.

Rotas de Whisky

Há agências de viagem que oferecem, principalmente agências na Escócia. Neste caso o foco são as destilarias!! Para quem aprecia whisky é bem interessante, mas há que se analisar o roteiro e cuidar com as pegadinhas. No ano passado indiquei uma opção para dois amigos. Eles viajaram e até se divertiram, mas reclamaram que, pelo preço que pagaram, faltaram atividades especiais nas destilarias. Aprenderam pouco. E este é o ponto que você deve considerar pelo preço que paga: as visitas são básicas? Você realmente vai conhecer a destilaria, ou é só uma passagem rápida para tirar fotos? Não preciso nem dizer que ficaram arrependidos. Visitaram várias destilarias, mas a maioria eram visitas simples. Acabou que a viagem sobre whisky era mais “rota” do que uma “experiência”. Creio que foram com uma expectativa muito alta…

Experiência em Whisky

Agora sim, estamos falando de algo diferenciado e absolutamente focado em aprendizado sobre whisky. Uma viagem para Escócia para vivenciar o mundo do whisky. As visitas não são simplesmente para dizer que estiveram na destilaria, mas são para vivenciar algo diferente. Para conhecer de verdade e não para fazer números. O importante em roteiros especiais é que haja um equilíbrio entre uma experiência diferenciada super-didática e o lazer descontraido de uma viagem de turismo internacional. Minha indicação declaradamente tendenciosa: o pacote Islay Experience.

O Islay Experience

Sugiro que você acesse o site do Islay Experience e verifique tudo que este pacote oferece. O custo benefício é incrível! Posso garantir que ele realmente oferece uma experiência diferenciada (é organizado por mim e, obviamente, tenho interesse em agradar aos participantes!). Visitas premium, degustações selecionadas, atividades especiais e também uma gama de atividades extra-whisky para conhecer a Escócia de uma forma muito especial.

É o pacote que sai completamente do básico com um conjunto de atividades que proporcionam lazer, descontração, vivência no local de destino, cultura e aprendizado. Isso tudo a um preço justo (diria até barato pelo que oferece). Basta comparar com outras opções de roteiros focados em whisky. Um roteiro exclusivo para pessoas que buscam o melhor!

Espero que tenha gostado das dicas e que encontre o roteiro que se encaixe no estilo que procura!

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *